segunda-feira, 14 de julho de 2014

Review: Revolted – Revolutionary Order


Por Pedro Humangous

O Centro Oeste está fervendo e transbordando Metal de suas terras! Goiânia vem surpreendendo com uma cena forte e o Revolted, de Anápolis (GO), se junta ao time de grandes bandas da região! Formada em 2011, o grupo é atualmente composto por Hedrey Glissierio (vocais), Alex Fernando (guitarras), Raphael Torlezzi (baixo) e Yanomani Ami (bateria), e apresenta um Metal Extremo bastante nervoso, repleto de outras interessantes influências como o Death e o Groove Metal. É uma mistura de Arch Enemy, Lamb Of God e Carcass, pinçando o que há de melhore entre as três, criando algo bastante original e distinto. Rótulos realmente não importam tanto, mas creio que com tantas peculiaridades em sua sonoridade, poderíamos enquadrá-los no Modern Thrash Metal com facilidade (área onde hoje habitam bandas como Machine Head e Devildriver por exemplo). O álbum flui com facilidade, sem se tornar cansativo, empolgando bastante a cada nova faixa apresentada. A qualidade de gravação está incrível (méritos para Junior Xavas, que gravou no Grafton Studio, na cidade natal da banda),  a masterização e mixagem foram feitas no SteelMind Studios (na França) e ficaram por conta de Xavier Collard. Não gostei dos vocais puxados pro Doom que constam em algumas faixas como em “The Scars Of Insanity”, apesar das guitarras matadoras e na variação de tempo constante em um ritmo de quebrar qualquer pescoço (até mesmo o do George Fisher!). A arte da capa, feita por Thiago Andrade (Fanttasma, Abstrackta e ex-Deadly Curse) ficou bem bonita e interessante, casando com o som agressivo da banda. O Metal cantado em nossa língua está cada vez mais evidente e sendo praticado por nossas bandas e aqui foi representado pela boa “Epidemia”. “Revolutionary Order” surpreende bastante positivamente e nos deixa ansiosos pelo que essa banda ainda pode apresentar daqui pra frente. Uma estreia promissora! Nota: 8,0


Tracklist:
01. Revolutionary Order
02. Heartbreaking
03. Behind the Sacred Verses
04. The Scars of Insanity
05. Follow the Shadows
06. Hope is Just an Illusion
07. Imperfect Memories
08. Epidemia
09. Your Fate is What Destroys You
10. We are Only Free

Contatos:


sexta-feira, 20 de junho de 2014

Metalhead: Veja o trailer do filme


METALHEAD é o filme mais do aclamado diretor islandês Ragnar Bragason. Conta a história de Hera, que ao perder seu irmão em um trágico acidente supera seus traumas através do Heavy Metal e com isso seu comportamento acaba chocando com os padrões da pequena cidade conservadora que mora na Islândia.

Metalhead é um filme dramático e sombrio, repleto de simbolismos, com momentos de comédia rebelde. É uma história de uma perda terrível e como lidamos com nossas dores, com a convivência em uma sociedade conservadora, com valores familiares, sonhos e pesadelos.

Confira o trailer:

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Ease Of Disgust: Novo disco disponível para audição!


A banda russa Ease Of Disgust lançou recentemente o disco "Black Flame" e o mesmo está disponível audição:

http://easeofdisgust.bandcamp.com/album/black-flame

Tracklist:
01 – Bloodlust
02 – Enter the Circle
03 – Inside the Eternal River
04 – We Bring Hell
05 – At the Mountains of Madness
06 – Reflection of Suffering
07 – Black Flame
08 – Among the Doomed
09 – Destroy to Create
10 – Unleash the Beast
11 – Ashes of the Stars



www.facebook.com/easeofdisgust

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Review: Climatic Terra - Entity


Por Pedro Humangous

Interessante ver como o Heavy Metal vem crescendo cada vez mais em países com menor tradição na música extrema – pelo menos sem tanta expressão mundial. A Argentina, além da ótima carne, excelentes vinhos e o Tango, possui bandas muito boas, como é o caso da Climatic Terra. Com uma sonoridade agressiva e totalmente moderna, agrada logo na primeira audição! As guitarras têm afinação baixa e aquele timbre característico do Melodic Death Metal, abusando de riffs ultra técnicos e melódicos, fazendo uma mistura agradável entre o lado extremo e a beleza das composições. No geral, me lembraram um pouco de tudo, o vocal (cantado rasgado e gutural) tem algo do Fernando Ribeiro (Moonspell) e do Mark Hunter (Chimaira) e o instrumental é uma mistura de Nevermore com Scar Symmetry. A maioria das faixas transborda groove, alternando entre o bumbo duplo e momentos mais cadenciados, mas em momento algum torna-se cansativo ou monótono. É pedrada atrás de pedrada, sem descanso para o pescoço que insiste em ‘bangear’ freneticamente. “Entity” é o segundo disco na carreira deles e apresenta uma maturidade incrível, com composições de muito bom gosto, técnicas e viciantes! O trabalho inteiro merece destaque, porém, a faixa que abre o disco, “Indignation” é de cair o queixo! Um álbum fenomenal de uma banda que merece ficar em nossos radares, pois tem grandes chances de atingir o reconhecimento (mais que merecido) mundial! Por enquanto, desejo boas-vindas ao território brasileiro! Nota: 9,0


Tracklist:
01. Indignation
02. An Unforgiving God
03. Traffic 
04. To Be Heard
05. What Could Have Been
06. My Sanity  
07. The Socialist
08. Blood Walkway
09. We Are Not Dead
10. No Forgiveness
11. End of Darkness

Formação:
James Wright - Vocais
Ezequiel Catalano - Guitarras
Federico Rodriguez - Guitarras
Leonardo Báez - Baixo
Hernan Martiarena - Bateria

Contatos:

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Review: Larenttes - Heartbeat


Por Augusto Hunter

Larenttes é o nome do projeto solo do exímio guitarrista Thiago Larenttes, que também toca no ótimo Andragonia. Nesse disco, "Heartbeat" ele tem uma proposta diferente de sua banda, pois toca a sua guitarra e desfila técnica dentro de elementos clássicos da música Eletrônica. Bem gravado e muito bem tocado, o disco é bem interessante de ouvir, mas, eu achei que com o decorrer da audição do disco ele fica um pouco repetitivo - não sei o verdadeiro motivo disso acontecer, pois a guitarra de Thiago Larenttes é ótima. Com dez faixas, o disco corre sempre de uma forma equilibrada, sem muitas surpresas ou passagens excessivamente grandiosas, mas ele é bom de se ouvir. A participação de Marcinho Eiras na gravação do disco é interessante e dá um brilho a mais a esse lançamento. Nota: 6,0


Mais informações: http://www.larenttes.com/

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Voodoopriest: Ouvimos "Mandu" em primeira mão!


Por João Messias Jr.

Após o primeiro single e um EP auto-intitulado, o quinteto formado por Vitor Rodrigues (vocal), Cesar Covero (guitarra), Renato De Luccas (guitarra), Bruno Pompeo (baixo) e Edu Nicolini (bateria) está prestes a dar o grande e definitivo passo para a consolidação de sua carreira. Num evento destinado para a imprensa e convidados, a banda promoveu a audição de seu primeiro álbum, "Mandu". Conceitual, o trabalho  conta a história de Mandu Ladino, índio que vivei no século 18 e que liderou até a morte a invasão de suas terras (hoje conhecidas como o estado do Piauí) e a extinção do povo indígena.

A audição, marcada para às 20h no Norcal Estúdios, localizado na região de Pinheiros (São Paulo) contou com um bom número de veículos de imprensa. Após um tempo para que todos chegassem, a banda e o produtor do álbum, Brendan Duffrey nos encaminhou para uma sala para ouvir o petardo.


Antes de dizer as primeiras impressões sobre o disco, vale a pena dizer que todos os integrantes estavam muito felizes com esse momento, em especial o Vitor Rodrigues, que após sua saída da Torture Squad foi encorajado a continuar o legado por meio de um novo grupo. E felizmente arranjou os caras certos para isso, pois são músicos que figuram ou figuraram em grandes e promissores nomes da cena brasileira, como Endrah, Nervochaos, Exhortation, Nitrominds, Agression Tales, entre outros. 

Após todos se acomodarem na sala, a minha mais que humilde conclusão é que "Mandu" não apenas figurará na lista de melhores trabalhos, mas sim como uma das mais sucedidas estreias em CD da história, repetindo o que bandas como Shaman, Angra e Zero Vision fizeram décadas atrás. Impressão que começa com a capa, feita pelo polonês Raf the Might, que fez artes para caras como Slayer e Metallica.

E isso tem dois porquês:

1.     Brendan disse que quis fazer um trabalho mais orgânico, com um jeitão Thrash americano dos anos 80. De fato, há muita coisa desse período no trabalho, mas com uma produção fresca e jovial, que mostra com clareza todos os detalhes das canções, em especial a dinâmica das guitarras, que é de impressionar mesmo e a bateria, que de longe, é o melhor trabalho feito por Edu Nicolini.

2.     Junto com a mistura bem feita de Death, Thrash, Metal Tradicional e Grooves, o conceito lírico está muito bem conectado com a parte instrumental, fazendo com que o ouvinte, mesmo não sabendo do que o disco fala, se idenficará com os climas presentes na obra, que vão desde os combates que vem a mente com Warpath e as tensas discussões imaginadas em Mandú, cujo refrão tem tudo para ser cantado pelos fãs, assim como a forte e instigante Warpath.


Após a audição foi o tempo de fotos e um bate papo descontraído com banda e produtor, que se mostraram solícitos com todos os presentes, com brindes para os convidados e muita conversa, tanto que os últimos saíram do estúdio já eram mais de meia-noite, mesmo se tratando de uma terça-feira gelada. Sem mais delongas, uma noite histórica, em que valeu a pena ter cruzado a cidade para conferir a audição de "Mandu", que estará disponível para audição a partir do dia 10/06 no site da banda e a versão física no fim do primeiro semestre, via Die Hard Records.

Como sei que alguns puristas perguntarão em comparação ao Torture Squad, só me resta dizer que os fãs agora estão com duas excelentes bandas.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Hell Divine Nº 19: Nova edição da revista está online!


A décima nona edição da revista online HELL DIVINE já está disponível, trazendo como matéria de capa a banda EPICA!

Confira as demais entrevistas:

PARADISE LOST
DARK AVENGER
SKIN CULTURE
QUEIRON
THREAT
CHAOS SYNOPSIS
MAIEUTTICA

Nessa edição temos duas matérias especiais, uma sobre cervejas e o "Desafio Dos 30 Dias"! Vale a pena conferir!

Ao todo são 64 páginas, contendo diversas colunas, além de resenhas de CDs, DVDs, shows e livros. A revista está disponibilizada em formato PDF, mas, pode ser visualizada na tela sem necessidade de download. Para fazer o download gratuito da revista, acesse o link informado abaixo; para abrir o arquivo PDF em seu computador, é obrigatória a instalação do programa ACROBAT READER, que pode ser baixado gratuitamente através do site: http://get.adobe.com/br/reader.


Optical Faze: DVD gravado e track list revelado!


A banda Optical Faze deu, literalmente, um show nesse fim de semana! A gravação do seu vindouro DVD ocorreu de forma perfeita, apresentando uma oficina de produção áudio visual para a comunidade da cidade de São Sebastião, sem contar no show conceitual incrível. O grupo se preocupou em cada detalhe de uma produção de vídeo em alto nível, contando com 5 câmeras de alta definição (além de uma Go Pro), mostrando o que de melhor a banda pode oferecer. O cuidado com a direção de arte e visual dos músicos foi algo de impressionar, sem falar da performance matadora na execução das 16 faixas que irão compor o primeiro lançamento em DVD da carreira. 


Confira abaixo o track list oficial de “Full Of Life’s Devastation”, com previsão de lançamento para novembro desse ano:

1 - Moments of Nothing
2 - Carved
3 - Trail of Blood
4 - Shattered Appart
5 - Amorphophallus Titanum
6 - Reverse Alchemy
7 - New Moments of Truth
8 - One Way Path
9 - Cyca Revoluta
10 - Lie To Protect
11 - Ellectroshock Therapy
12 - Fixed Point
13 - Pressure
14 - Red Sun
15 - The Collapse
16 - Ghost Planet


Mais informações em breve!

Contatos:
Loja virtual: store.opticalfaze.com.br
Twitter:  @opticalfaze